Notícia

20 mar Real Hospital Português inaugura Escola de Saúde e Edifício voltado para Hemodiálise e Transplantes

Clique na imagem para amplia-la

A inauguração acontece dia 23 de março

Seguindo a missão de ser uma instituição de saúde, ensino e pesquisa, que proporciona um atendimento integrado com excelência técnica, científica e humana, o Hospital Português inaugura, no próximo dia 23 de março, as instalações da Escola de Saúde do Real Hospital Português, às 10 horas da manhã, localizada na rua do Imperador, e o Edifício Santo Antônio, às 11h30 horas, nas dependências do complexo hospitalar.
 
Famosa por outrora ser a rua dos jornais e da boemia, por onde passou o cortejo imperial de Dom Pedro II em 1859, a rua do Imperador foi o endereço escolhido pelo Provedor Alberto Ferreira da Costa para estabelecer a Escola de Saúde do Real Hospital Português. “Há quatro anos encontrei o presidente do PSD de Portugal Rui Rio, no Gabinete Português de Leitura. Em conversa informal, pensamos em montar, no prédio vizinho ao Gabinete, uma Escola de Enfermagem. Quando oportuno, começamos a obra”, afirma o provedor Alberto Ferreira da Costa.
 
O prédio, antigo Hotel Recife, datado do século 20, teve projeto de recuperação do arquiteto Waldecy Pinto. A fachada foi mantida, porém toda a estrutura interna foi reformada, passando a ter 5 pavimentos e 3.177 metros quadrados de área construída. 
 
“A escola é o progresso de um povo. O Hospital Português não podia omitir-se. Assim, a Instituição de ensino vem a colaborar com esse ideal”, explica Alberto Ferreira da Costa. Com o investimento estimado em R$ 14 milhões de reais, a escola conta com 15 salas de aula, nove laboratórios, área de lazer com lanchonete, auditório com equipamentos de audiovisual e tratamento acústico e biblioteca.
 
Simultaneamente a Escola, o RHP construiu, dentro das dependências do complexo, o Edifício Santo Antônio, para abrigar, principalmente o maior parque de hemodiálise de Pernambuco. “Esse prédio traz a realização do meu desejo de criar um espaço digno para a Nefrologia e os Transplantes”, afirma o Provedor. A obra, que durou 2 anos e custou cerca de R$ 60 milhões, é toda em estrutura metálica e paredes em Dry Wall, com praticamente zero desperdício de tempo e material, evitando descarte de resíduos de construção.
 
Com 10 pavimentos, e mais de 13 mil metros quadrados de área construída, a unidade abriga o serviço de nefrologia, além de leitos de UTI, hospital dia, e enfermarias com foco nos transplantes de rim, coração, medula óssea e fígado. São mais de 300 leitos em funcionamento. A hemodiálise ambulatorial, que tinha capacidade para 360 pacientes, chegará a 600. Trinta novos leitos de UTI Geral foram abertos, e 26 consultórios.